Auto-resgate: por onde começar?


Gostaria de aproveitar a oportunidade para dividir com vocês uma reflexão que já venho fazendo há algum tempo e que considero de grande importância. Por mais clichê que seja, é impossível não constatarmos o quanto nosso estilo de vida atual tem nos trazido aspectos muito negativos. Apesar dos avanços que foram muitos, ainda estamos muito longe de podermos nos considerar seres tranqüilos, equilibrados, em harmonia, sem stress e preocupações excessivas. Vivemos um dia-a-dia cada vez mais exaustivo, intenso de responsabilidades, que precisamos aprender a contrabalançar.

Corremos o dia todo atrás do relógio, com infindáveis listas de pendências, que muitas vezes renovam-se dia-a-dia, com poucos itens cumpridos. Isto, muitas vezes, nos traz ansiedade, angústias e até uma certa sensação de que não vamos nunca cumprir toda a nossa lista.
Em meio a tantos afazeres e tantos compromissos, todos carregados de urgência, acredito realmente que acabamos perdendo por aí um aspecto muito importante de nossa vida: a possibilidade de conexão consigo mesmo, de introspecção, de estarmos em nossa companhia.
Estamos vivendo uma época em que tudo está fora da gente, tudo é exterior e acabamos nos esquecendo de olhar profundamente para nós mesmos, de nos perceber e nos sentir.
Em tudo parece imperar a urgência de necessidade, não havendo calma nem tempo, onde a superficialidade no fazer e no ser é inevitável. E esta superficialidade leva ao enfraquecimento dos nossos vínculos afetivos, seja com as pessoas com as quais nos relacionamos, até dentro da nossa família, muitas vezes, seja com as atividades que desempenhamos. Passamos a não mais estar presentes de forma inteira. Acredito que isso seja um grande prejuízo que devemos evitar a todo custo.

Muitas das nossas atividades diárias realizam-se de maneira automática, impensadas, perdendo todo o sentido que poderiam ter, sem que de fato atribuamos a ela a atenção merecida, o que acaba sendo um desperdício.
E, na medida em que não estamos sintonizados com nós mesmos, não percebemos muitas vezes o que se passa com nosso corpo, nossa mente e nosso espírito. No momento em que isso ocorre, estamos bem próximos de nos machucar.
O que eu gostaria de propor a vocês é, no meio do cansaço acumulado e correria, que façamos um resgate de nós mesmos, um reencontro com você mesmo. Ao estarmos melhores com a gente mesmo, com certeza estaremos nos tornando melhores também para os que estão a nossa volta.
Vamos começar por transformar alguns afazeres diários em atividades pensadas, refletidas. Vamos dar a eles o status de ritual. De uma ação mecânica, eles passarão a ser encarados como rituais, sendo elevados de comuns a sagrados, tendo assim uma finalidade.

Comece pela respiração. Não respire simplesmente. Perceba a sua respiração. Faça algumas paradas diárias e somente observe como está a sua respiração. Torne-a tranqüila, profunda, sinta a sua musculatura e veja como ela se comporta.
Eleja algumas atividades do seu dia-a-dia e transforme-as num ritual. Pode ser um simples banho, transforme-o num banho consciente. Não importa a duração, faça dele um ato consciente de entrar e estar em contato com você. Reflita e medite durante ele. Ou então, pode ser o momento de preparar sua refeição. Concentre-se em todo o procedimento, desde a escolha do que vai comer, a maneira como vai elaborar os pratos, até como irá servi-los. Escolha alimentos saudáveis, saborosos. Sinta prazer ao preparar os alimentos. Cuide do ambiente onde vai acontecer a refeição. Torne este ambiente especial, com flores ou aquilo que você gostar e acredite que ali irá, de fato, acontecer algo de grande importância.

Permaneça em silêncio durante um tempo do seu dia e só se concentre em respirar. O verdadeiro silêncio é um ato espiritual, e pode ser transformado numa grande fonte de obter energia.
Pratique uma atividade física que você goste. Veja com o que você mais se identifica. A atividade física precisa estar associada ao prazer para que cumpra com seus objetivos.
Tome um bom chá relaxante, como camomila, erva-cidreira ou melissa, antes de se deitar. Não adormeça de qualquer maneira. Prepare-se para o sono, com pensamentos leves e agradáveis. Faça uma prece, se acreditar. Sua noite de sono será muito mais proveitosa.

Doe-se para alguém, mas também se permita receber carinho, amor, cuidados e atenção. Acredite de verdade que você é merecedor de tudo isso.
Coloque mais calma em todas as suas ações. Isto é possível, embora tenha momentos que fica difícil a gente acreditar que seja.
Curta a sua família, seus animais, seu jardim, suas músicas e tudo aquilo mais que for importante pra você!

Façam a experiência! Todos nós merecemos! E desde já, acho que já é possível agradecermos...
Bom, era o que eu queria dividir com vocês!

Um grande abraço.


Ana Paula é fisioterapeuta e terapeuta floral, com atuação na área de reeducação postural através de RPG e Pilates, para adultos e crianças, e está iniciando um programa voltado para busca do equilíbrio corpo e mente, através da prática de alimentação saudável e consciente, atividade física dirigida e individualizada, como Pilates e alongamentos, técnicas de massoterapia e terapias complementares

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget